Está aqui

Está aqui

O uso de recursos hídricos na reabilitação de espaços verdes por parte da AKDN

Para muitos muçulmanos, os jardins refletem a graça de Deus e as bênçãos da vida. Ao longo de toda a longa história do Islão, houve uma efusão de poesia e arte relacionada com temas espirituais, entre os quais os jardins como uma materialização do paraíso, tanto terreno como divino. Da mesma forma, também foi criada uma vasta obra de poesia, arte e literatura que representa os jardins como domínios seculares das relações sociais, do prazer, do romance e da diplomacia, assim como um refúgio das provações do trabalho, dos conflitos e de ambientes hostis.
 
Um elemento quase universal que possui múltiplas expressões é a água. A água é um ingrediente essencial encontrado em praticamente todos os jardins do mundo islâmico.

A afirmação de que “a água é um presente de Deus para o Homem e para a Terra” pode ser encontrada no Alcorão. Na cultura islâmica, originalmente uma sociedade agrícola, uma quantidade significativa de tecnologia e regras era dedicada à água. Não é de surpreender que o seu uso e distribuição tenham sido amplamente explorados nos jardins do mundo islâmico, e os instrumentos artísticos produzidos para explorar as suas várias características mutáveis de movimento, som, reflexo e refração através de canais, riachos, quedas de água, cascatas, lençóis, esguichos, bacias, tanques, reservatórios, lagoas e lagos estão entre as glórias desse património rico e diversificado.