Está aqui

Está aqui

  • Emaan Shaikh, 28 - “Esta muralha ensina-nos como as coisas foram outrora, como a Índia e o Paquistão estavam juntos, como as religiões coexistiam e hoje existem tantas divisões por causa da religião. Termos esta noção aumenta o nosso conhecimento e ajuda-nos a crescer como pessoas. Se um templo e uma mesquita podiam viver lado a lado, porque não podemos, hoje em dia viver, lado a lado?”
    AKDN / Christopher Wilton-Steer
Emaan Shaikh: Restaurar os frescos da Muralha das Figuras em Lahore

Emaan formou-se em Belas-Artes com especialização em pintura na Escola Superior de Artes em Lahore. Ela sempre se interessou por história e arte e, após a licenciatura, quis juntar esses dois interesses. Ela ouviu falar da restauração do Shahi Hammam por parte do AKTC e conseguiu um lugar de formação, tendo trabalhado durante um ano na conservação e restauração dos frescos.

"Tenho uma intensa e profunda paixão pela história, especialmente pela história do Paquistão."

“A maioria das pessoas não compreende a importância do património, não acha que é importante preservar. Mas devemos saber de onde viemos, devemos saber qual é a nossa história. Compreender de onde viemos e saber o que aconteceu às pessoas que viveram antes de nós ajuda no meu trabalho, ajuda-me na forma de pensar, ajuda-me na forma de ser."

“Esta muralha ensina-nos como as coisas foram outrora, como a Índia e o Paquistão estavam juntos, como as religiões coexistiam e hoje existem tantas divisões por causa da religião. Termos esta noção aumenta o nosso conhecimento e ajuda-nos a crescer como pessoas. Se um templo e uma mesquita podiam viver lado a lado, porque não podemos, hoje em dia viver, lado a lado?”

Arquitetos, historiadores de arte, engenheiros, artistas plásticos, químicos, conservadores e ceramistas compõem a constelação de jovens qualificados que trabalham para o Fundo Aga Khan para a Cultura (AKTC) num dos maiores projetos de restauração do Paquistão.

A Muralha das Figuras do Séc. XVII da era mogol na Cidade Murada de Lahore tem-se vindo a degradar ao longo dos últimos 100 anos, mas graças aos esforços da Autoridade da Cidade Murada de Lahore, de doadores internacionais e da energia contagiante desta jovem equipa de conservadores, a muralha está a recuperar o seu esplendor original.

A primeira fase da restauração deste património mundial da UNESCO - cerca de 50 metros - ficou concluída no final de Março de 2019 e foi inaugurada pelo Primeiro-Ministro Imran Khan. A restauração dos restantes 400 metros desta estrutura inspiradora irá prolongar-se por uma década.

Este artigo foi publicado originalmente no blogue Wilton Photography.